Presidentes condenados na história mundial

Fotografia de Patrice Lumumba, em Bruxelas, erguendo os braços em sinal de vitória e liberdade – Autor: Harry Pot [CC0], via Wikimedia CommonsRecentemente, a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva – ex-presidente do Brasil – bem como a sua intenção de voltar a candidatar-se ao cargo esteve no centro das atenções mundiais. Ao longo da História, existiram casos diversos, que nos relembram que muitos chefes de governo, previamente condenados, o foram por se erguerem em defesa do seu país. Então, se em alguns casos a condenação parece justa e deriva de atos criminosos, noutros casos esta parte de uma conduto que merece todo o respeito.

Estes líderes internacionais, movidos pelas suas ambições e crenças, chegaram, em alguns casos, a arriscar a sua própria vida em prol de um futuro melhor e mais justo para o seu povo e o seu país. Neste sentido, olharemos para cinco dos presidentes que se ergueram das prisões, após a condenação e, em vez de passarem o seu tempo simplesmente a jogarem num casino, decidiram fazer algo de maior e mais altruísta com as suas vidas.

1. Nelson Mandela 

Nelson Rolihlahla Mandela, advogado de profissão na África do Sul, seria condenado em 1962, após o seu grupo militante, Umkhonto we Sizwe, ter tentado lançar uma campanha para sabotar as forças governamentais.

Mandela estaria preso durante 27 anos, tendo sido libertado em 1990 e tornar-se-ia o primeiro chefe de governo negro da África do Sul.

2. Dilma Rousseff 

Dilma Rousseff foi torturada e presa entre 1970 e 1972 após ter integrado grupos de guerrilha contra a ditadura.

Trabalhando com Lula desde 2005, concorreu a presidente em 2010. Foi a primeira mulher presidente do Brasil, entre 2010 e 2016.

3. Patrice Lumumba

A luta anti-colonial foi a razão pela qual, no ano de 1959, Patrice Lumumba seria condenado a 69 meses de prisão. Cumpriria apenas 9 meses de prisão e tornou-se o mais jovem Primeiro-ministro do Congo, com apenas 34 anos de idade.

O seu mandato durou três meses antes de ser afastado por Mobutu Sese Seko e morto por forças militares belgas. A Bélgica viria, mais tarde, a pedir desculpa pelo seu papel na morte do ex líder do Congo.

Imagem de Indira Priyadarshini Gandhi, em 1966. Autor: U.S. News & World Report photographer Warren K. Leffler [Public domain], via Wikimedia Commons

4. Indira Priyadarshini Gandhi

Indira Priyadarshini Gandhi  foi única mulher a servir a Índia como Primeiro Ministro. O primeiro mandato ocorreu entre 1966 e 1977, tendo sido presa em 1978 após a sua reeleição.

Em 1980, após a condenação, voltaria a subir ao governo mas acabaria por ser assassinada 4 anos depois pelos seus próprios guarda-costas, por indicação de Harmandir Sahib, enquanto parte da manobra de insurgência de Punjab.

5. Kim Dae Jung

Kim Dae Jung é um caso Sul Coreano comparado ao de Nelson Mandela. Este chefe de governo seria preso em 1980 e condenado à morte, tendo sido salvo pela intervenção dos Estados Unidos e do Papa João II, que conseguiram que a sua sentença fosse reduzida para 20 anos com exílio posterior para os Estados Unidos.

Após retornar à Coreia do Sul, em 1985, este começaria a candidatar-se ao cargo de presidente, que conquistou em 1998.

 

Postado por Joel Howell
2018-09-17